O que tem no meu diário?



Costumo dizer que as letras são a minha melhor forma de expressão. Não sou a melhor pessoa para falar o que sinto, mas se me pedir para escrever, posso até fazer um livro. E por me expressar melhor escrevendo, sempre tive meus diários. Com o passar do tempo, pra não soar tão adolescente, passei a ter minhas agendas. O nome mudou, mas o confidente era o mesmo.

Gosto de guardar esses diários pra que sempre quando sentir vontade ou saudade, sentar e reler cada página, imaginando aquele momento em que eu estava escrevendo. Tenho diários tristes, felizes, confusos e determinados. Cada página tão cheia de história. E outras, com apenas um sorrisinho. As vezes nem escrever expressa o sentimento daquele momento, então um sorrisinho basta.

Vamos falar hoje de um diário de uma época de poderosa, então, PRE PARA, haha.
Algumas vezes passamos por uma fase que estamos com a bola toda, ou pelo menos pensamos que estamos. Sabe aquela fase que o gatinho do colégio está afim de você, mas tem aquele outro que não é tão gatinho mas que também está afim de você, e nem precisa ser muitos gatinhos, basta ser mais de um pra você sair achando que está com a bola toda e por isso se achar no direito de estar por cima. Acho que vocês me entendem né. Mas sabe aquela garota que era esnobe, cheia de querer ser, que só andava no salto BEM alto? Pois é, deixa ela ser assim nesse diário. Nessas páginas ela pode ter pisado em vários meninos bobinhos que viviam atrás dela. Ela pode ter selecionado somente as melhores para o seu grupinho de amigas. Ela pode ter se achado a líder e por isso ser a dona da verdade. Deixa ela com a bola toda, por que no próximo diário, talvez ela não seja mais tão poderosa assim.

Tem um pensamento que diz que quanto mais alto subimos em uma estrutura sem alicerces, mais dolorosa será a nossa queda, e as feridas serão bem maiores. Minha amiga, a poderosa do diário com a capa cheia de estrelinhas, pode não ser mais a poderosa do diário com a capa cheia de coraçãozinhos.
Mas fazer o que né, as vezes as palavras expressão, outras sorrisinhos e outras, corações com iniciais. Acredito sempre que o importante é não se envergonhar de quem você foi, mas se orgulhar da pessoa que está se tornando. E se ainda hoje você é a menina do diário com capa de estrelinhas, tudo bem, a gente precisa passar por isso pra aprender lições que só a vida pode nos ensinar.